Gestão do Conhecimento Organizacional – Maria das Graças Murici

Perspectivas em Ciência da Informação, Vol. 6, NÚMERO 2 (2001) – REVISTA
Gestão do conhecimento organizacional na realidade brasileira – um estudo de caso

Maria das Graças Murici

Resumo

MURICI, Maria das Graças. Gestão do conhecimento organizacional na realidade brasileira – um estudo de caso. 2001. 139 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

A gestão do conhecimento organizacional é conceituada, descrita e analisada nas fases de criação, organização e transferência do processo de saber, através do estudo de caso de uma grande empresa brasileira do setor energético, denominada Companhia Energética de Minas Gerais – CEMIG. Foram identificadas as fontes de informação textuais, humanas e eletrônicas do processo de criação; os sistemas, repositórios e fluxos de organização e as formas de transferência do *conhecimento empresarial. Trata-se de um estudo qualitativo, de caráter exploratório, realizado através de entrevistas e da análise de documentos, que destaca aspectos de natureza soft, tais como o fluxo das comunicações e interações humanas presenciais e virtuais, bem como as networks com organizações do ambiente externo empresarial. Considera fator crítico de sucesso o alinhamento estratégico do referido processo aos propósitos, objetivos e resultados pretendidos pelas empresas. Sugere o olhar sobre o conhecimento inconsciente; valoriza a análise da identidade corporativa – o modus vivendi empresarial e analisa as contradições e os paradoxos do processo de gestão do conhecimento. Apresenta os desafios desse processo, por envolver distintas percepções, desejos, valores, propósitos e interesses, que, quando explicitados, fazem parte da trama de negociações de poderes, de quereres e de saberes. Conclui que os fluxos de conhecimentos das organizações extrapolam as fronteiras imaginárias corporativas e fluem como a água, das nascentes aos oceanos, através das constelações de organizações em continentes visíveis e virtuais, para múltiplos usos. Base de vantagem competitiva, a gestão do conhecimento relacionado à core competence parece ser fator determinante da capacidade de sobrevivência, de adaptação e de inovação empresarial, em ambiente competitivo. Considera que a sabedoria ao gerir o processo de conhecimento empresarial requer compreensão de sua complexidade, modelos teóricos e esquemas interpretativos não apenas racionais, e consciência da contribuição para a evolução das organizações e da humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *